sábado, 20 de agosto de 2016

"Como me sinto? Como se colocassem dois olhos sobre a mesa e dissessem a mim, a mim que sou cego: isto é aquilo vê. Esta é a matéria que vê. Toco os dois olhos em cima da mesa. Lisos, tépidos ainda (arrancaram há pouco), gelatinosos. Mas não vejo o ver. Assim é o que sinto tentando materializar na narrativa a convulsão do meu espírito. E desbocado e cruel, manchado de tintas, essas pardas-escuras do não saber dizer, tento amputado, conhecer o passo, cego conhecer a luz, ausente de braços tento te abraçar."

(HILST, Hilda; Com os meus olhos de Cão, Globo. Pág. 47)


Nenhum comentário: