quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

A Dança?



"Você é tão MODERNO
Se acha tão MODERNO
Mas é IGUAL a seus pais
É só questão de idade
Passando dessa fase
Tanto fez e tanto faz.
Você com as suas DROGAS
E as suas TEORIAS
E a sua REBELDIA
E a sua SOLIDÃO
Vive com seus EXCESSOS
Mas não tem mais dinheiro
Pra comprar outra FUGA
SAIR de casa então
Então é OUTRA festa
É OUTRA sexta-feira
Que SE DANE o futuro
Você tem a vida INTEIRA
Você é tão ESPERTO
Você está tão certo
Mas você NUNCA dançou
Com ÓDIO de verdade."

________________________

se tem um comportamento que me irrita profundamente é o das pessoas que, deslumbradas com a seu modo de vida e suas ideias, supostamente avançadas, constestadoras, (revolucionárias?) entre outras, acabam simplesmente repetindo comportamentos cristalizados e clichês do seu grupinho. na tentativa de se destacar, acaba sendo mais um a seguir uma velha cartilha imaginária...

não só me irrita, isso é pouco, me faz pensar muito em quanto as pessoas criam um ficção de si, para si e acreditam nela tanto a ponto de usá-la para criar uma falsa dualidade de nós e os outros. rogas, teorias e rebeldia que no final das contas te tornam exatamente aquilo que você diz não ser. você não é diferente, você não é contestador, você não traz nenhuma grande mudança para o mundo e nem para o seu entediante comportamente juvenil. pior: você reforça o status quo ao ocupar o lugar que te permitem ocupar. Como um cachorrinho que late no quintal... Você é igual a seus pais, talvez mais conservador e enfadonho que eles quando jovens. E pior que isso, a ideia que você tem de ser mais e melhor não te permite ver o quanto você é limitado. muito provavelmente mais um caretinha.

comportamentos juvenis são constrangedoramente repetitivos e bobinhos. principalmente quando estão em bando e precisam dele pra se auto-afirmarem e moldarem sua identidade. o pretenso inconformismo, sua relação com as drogas, os pequenos delitos (muitas vezes acompanhando de frágeis ideais libertários) são velhos clichês, aprendidos e propagados como algo genuíno.

esqueça, a rebeldia (como nós a conhecemos e como ainda vendem na tv) morreu, hoje em dia ela é vendida nas lojas, está totalmente absorvida e adaptada ao mainstream e ao mercado. garotos e garotas brincam de ser rebeldes e se acham fodas porque consideram que estão virando as costas para o velho mundo. eu penso diferente: acho que eles estão fazendo exatamente aquilo que se espera que eles façam, estão brincando de pirata no playground do condomínio. mas nunca dançaram com ódio de verdade...


Jovens sendo revolucionários.

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

das mesuras

perdoai o verso
que eu não fiz
e ainda mais o que eu fiz,
marcando a pele à lâmina
ou fingindo fazê-lo

perdoai a fraude,
a fuga impossível
o culto à alma, quando
eu nem mesmo acredito no corpo!
(ou no verbo)

perdoai, se possível
as pequenas canalhices
o deboche com que ofereço
suor, sangue, lágrimas,
mas entrego-lhe a folha fria
(não creia)







quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

"Todos os homens e mulheres são distintos, mesmo os gêmeos univitelinos. Aos nos relacionarmos com qualquer um deles, no entanto, fazemos isso por meio do seu tipo: branco, preto, capixaba, francês, pobre, rico, e assim por diante. Não fosse assim, a relação seria inimaginável. Não interagimos com coisas e seres singulares, esta possibilidade não está dada ao ser humano."

(SANTOS, Joel Rufino dos - Quem Ama Literatura Não Estuda Literatura: Ensaios Indisciplinados, pág. 154)
________________________________

foda chegar a essa conclusão: nós simplesmente não temos acesso ao outro ser ou coisa, não entramos em contato com ele de maneira plena. quando o fazemos é só de maneira muito limitada, por meio da nossa subjetividade, da nossa visão de mundo, sensações, sentimentos e inevitavelmente de nossos preconceitos... e tudo isso é muito pouco e quase falso (apesar de tão humano!).

conhecer uma pessoa é antes de tudo situá-la no (meu) mundo, é compará-la com o que eu já conheço e reduzí-la a algumas informações. nome, idade, onde mora, onde nasceu... dá pra perceber o quanto isso já é esteriotipar aquele ser? tentamos apreender um ser único e complexo através de um punhado de informações socialmente compartilháveis.

claro que existe uma enorme gama de outros estímulos que recebemos do outro (comunicação não-verbal, aquilo que é só sentido, intuido a "impressão" que nos passa...), mas ainda assim, CONHECER O OUTRO É CONHECÊ-LO ATRAVES DE VOCÊ MESMO. Não conseguimos escapar desse fato...

o mundo vasto, infinito com os bilhões de pessoas que estão lá fora estão irremediavelmente fora de nosso alcance. não os atingimos, não os alcançamos enquanto realidades objetivas...

 isso me lembra muito o MITO DA CAVERNA de platão. nós conseguimos tão somente perceber umas poucas sombras na parede e achamos que isso é a realidade... não interagimos com os seres singulares, mas tão somente (e em graus variados) com as informações que recebemos e conseguimos "processar" (e a sombra é um ótima metáfora para isso). e é a partir dessas informações que definimos como vemos aquela pessoa e como vamos interagir com ela... e isso vai desde uma simples passada de olho, até a convivência por anos, o fato é que SEMPRE vamos estar reduzindo aquela pessoa, simplificando-a de forma que consigamos racionalizá-la. Em uma palavra, TIPIFICANDO-A.

domingo, 9 de dezembro de 2012

conversas inflamáveis

separados por um pequeno labirinto,
me canso dos seus comentários
quero te bater ou te abraçar.
um profundo sentimentalismo me acomete,
faz com que eu reaja com ironia...
tenho sempre que me explicar
assim corro o risco de me tornar opaco.
aos seus olhos sou pedante
meio enigma, meio fraude
o que me perturba algumas vezes.
não sou livre,
nem esperto o bastante...
só levemente piromaníaco
ensaio por fogo nas minhas roupas,
mas não vá embora, 
não é o fim,
quero ouvir seus argumentos
                                            enquanto
                                                           queimo

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

a janela em frente me convida ao pulo
queria antes um beijo de boa sorte...
se eu voltasse com vida, seria outro homem
pularia o seu portão, te amaria no seu quintal

talvez você durma a essa hora
ou chore baixinho, com medo do escuro
do alto do nono andar quase posso te ver
com a luz do corredor acessa...

a conversa animada agora se foi
eu sou o antigo, mas me rastejo no presente
acho que eu só queria compaixão e desprezo
o pouco que eu valho, daria pra você contente

há um adeus na palma das mãos
vazias, ensaiam a dissolução do corpo
esfregá-las não adianta...
não adianta sabão, nem lâmina

uma ideia fixa, um gosto vazio na boca
alguns pontos luminosos lá embaixo
o cálice de vinho, amigo que não se foi
juventude sônica fazendo cócegas no meu ouvido...

caralho! eu tento evitar
mas a janela em frente que me convida ao pulo...
por sorte eu tenho o costume de ficar,
até os créditos finais...

terça-feira, 13 de novembro de 2012

a palavra é um verme
branco e vivo
que rasteja desprezível

onde há um, há muitos
e se apegam, patéticos,
à realidade perecendo

o cheiro da vida em decomposição
é o cheiro da palavra
impregnado nos jornais e nos homens
(até então burgueses e sadios)

há que se comer o verme
com o merecido nojo.
gosma na garganta, ânsia

e adorar o verme
como solução possível
pra que eu não viva sempre
(e não me torne estéril)

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

sonetinho duma noite de outubro

noite mais escura do que esta não há
atravesso-a tenso, lento, alerta
os dois olhos desenham uma janela,
imaginada salvação solta no ar

neste colchão há tanta solidão, demais
umideço-o de considerações e impertinências
sombra que sou, desdobro-me em penitências
arrebatamento tardio das fantasias matinais

sobre o leito, esfacelado, ainda me lembro,
corroi-me o eterno lamento de um segundo
que, perdido, evapora-se na madrugada

ontem mesmo nutria sonhos e era setembro
havia em mim toda a esperança do mundo,
mas agora, finda a tarde, só me resta o nada
____________________________________

"A Noite vai crescendo apavorante
E dentro do meu peito, no combate,
A Eternidade esmagadora bate
Numa dilatação exorbitante!"

(Augusto dos Anjos)

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

provinciano

A cidade insana,
agônica,
doente dos pulmões e das pernas.
Encravada num mapa,
Embolorada,
morimbunda sem saber sofrer

As ruas estreitas sucumbem
à grossa poeira
amarelada.
As construções se equilibram
Sobre as ladeiras
Tristes,
Contemplam o vazio e
Parecem querer se atirar

A fumaça que a faz arder,
Sufoca,
Apodrece-a por dentro,
Mas ridícula sussurra:
"tenho muita vida ainda,
nessas serras de tijolo e telhado
há duzentas mil e mais"
(Enquanto os homens na praça esfregam as mãos e sorriem).

A cidade em chamas,
insípida,
Sente o veneno escorrer
Por sua veia rasgada
que leva
por corredores sombrios
até o fim do brasil!

_______________________________
"os homens na praça esfregam a mão e sorriem,
os amigos do novo rei repartem o tesouro entre si,
enquanto eu derrotado só quero o sono tranquilo da cidade adormecida"













quinta-feira, 4 de outubro de 2012

o pt nas eleições: "fazemos qualquer negócio!"


as pessoas que por ventura acessam este blog podem até me achar um pouco repetitivo nestes tipo de assunto, mas infelizmente, há coisas que não consigo digerir assim tão rápido e como ficam martelando na minha cabeça acabo voltado a elas vez ou outra. e também foda-se, eu posto o que eu quiser. =]

é que eu fico extremamente impressionado e desiludido (apesar de desilução ser um sentimento antigo) com a capacidade que o pt tem se reinventar, de rasgar bandeiras históricas e compromisso éticos em favor da obtenção de poder e de espalhar ainda mais seus tentáculos de "lula" pelo brasil afora:

a) aqui na capital paulista, o pt está coligado com o famigerado pp, partido de ninguém menos que o corrupto e reacionário dr. paulo maluf, até pouco tempo sua antítese ideológica. e não é segredo pra ninguém que chegou a namorar uma aliança com o psd do kassab.

b) em são luis do maranhão o pt está coligado com o dem (ex-pfl). isso mesmo, o partido dos antigos coronéis, herdeiro da ditadura militar e que faz oposição ferrenha (à direita) ao governo federal.

c) em salvador o candidato do pt tem ao seu lado uma imensa coligação de 15 partidos e entre eles está o psd, um verdadeiro catadão fisiológico interessado em cargos e que faz qualquer negócio para isso. ou seja, bate nele aqui em sp, mas em outros lugares são aliados.

d) no rio de janeiro, uma coligação ainda maior, de VINTE partidos compõem um grande balcão de negócios que fatiará a cidade após a eleição. lá eles apoiam o candidato do pmdb numa aberração que reúne pps (oposição no nível federal), prb (partido da universal e do russomano), psd e pp.

ou seja, fica escaranda uma crescente incoerência, que eles tentam justificar das mais diferentes maneiras, de acordo com a necessidade. e o nosso amigo luís inácio viaja feliz o brasil inteiro saindo em fotos e dando depoimentos favoráveis à todos aqueles que estejam do seu lado.

só para contrastar, voltando alguns pouco anos atrás, vemos uma situação completamente diferente. em 2000, as coligações do pt eram as seguintes:
a) em são paulo: pt, pc do b, pcb, phs
b) o rio de janeiro: pt e pc do b
c) em salvador: pt, pv e pcb
d) em são luís o pt lançou candidatura sem fazer coligação.

em todos os quatro casos fica muito evidente o que esses poucos anos fizeram do pt. se antes as coligações eram muito mais contidas e justíficáveis num espectro ideológico hoje flexibilizou-se ao extremo as possibilidades de conversa e negócios e fica difícil entender o que partidos tão (supostamente) diferentes fazem juntos num mesmo palanque, como os casos citados acima. e não dá pra saber até onde ele e que valores estão dispostos a negociar para ganhar votos. hoje o partido é extremamente rico, tem a máquina pública ao seu dispor e manipula com sagacidade a popularidade dilma-lulista.



segunda-feira, 1 de outubro de 2012

meus centavos sobre as eleições 2012

uma das coisas que mais irrita nas eleições e na festejada democracia representativa é o esvaziamento político quase total que a disputa sofre e a quantidade de mentiras que são contadas sem o menor pudor:

1) o candidato X fala muito mal dos outros candidatos (principalmente dos candidato Y, do qual está mais próximo de si nas pesquisas) e muito bem de si próprio, do seu passado e do seu plano de governo. e vice-versa, de maneira geral os candidatos sempre atacam muito os adversários e endeusam demais a si próprios e os seus próprios simpatizantes. o que distorce a realidade duplamente, não consegue aprofundar o desejado e necessário debate, não consegue ter auto-crítica e trata a política como um infantilizado "bonzinhos contra  os maus". claro, ninguém é obrigado a confessar seus pecados em público, mas com certeza seria mais sincero reconhecer alguns erros próprios e acertos dos adversários...

2) dispara-se a torto e a direito frases de efeito que quase aleatoriamente contêm palavras como "renovação", "honestidade", "experiência", "avançar", "educação", "saúde", "transporte", blá, blá blá... propostas reais e factíveis e principalmente uma agenda programática bem embasada e coerente ficam em segundo plano. o que deveria-se realçar é que, por mais que todo candidato inclua soluções mágicas e definitivas para todos os problemas da cidade, cada um deles tem uma visão própria, uma maneira diferente de resolver os problemas e é isso que deveria ser levado em conta. mas no fim das contas ganha o populismo que consegue agradar ao maior número de pessoas, aquele que melhor incorpora o "pai dos pobres", "o salvador da pátria".

3) os programas eleitorais tratam o eleitor como imbecis, crianças que só conseguem prestar atenção em algo constrangedoramente colorido, com musiquinhas de quinta categoria e nos moldes de programinha vespertino. ou seja, o que se leva em conta é o marketing, a roupagem que se dá e não o as questões políticas e de interesse público.

4) o eleitor médio aparentemente não tem capacidade de analisar nada de maneira mais aprofundada. consegue se contradizer e ser incoerente com suas próprias demandas. e aqui não estou criticando as pessoas que tenham uma opinião política diferente da minha, mas sim as pessoas que não conseguem conciliar o seu pensamento com o seu voto. tipo o cara que desde sempre detesta o político dr. paulo e vota no candidato fernando (nomes meramente ilustrativos) que o próprio paulo apóia. se esquece que são historicamente adversários e até pouco tempo atrás representavam ideologias diferentes. as desculpas para isso são muitas, mas nenhuma delas esconde o fato de que uma aliança política envolve troca de favores e uma mínimo de interesses comuns. ou seja, se eles agora estão juntos no mesmo palanque há algo de muito diferente e estranho no ar.

5) aliás a população de modo geral adora detestar a política. acha bonito ser um analfabeto político e vocifera velhos clichês como "nenhum político não presta", "é tudo ladrão" ou "não gosto de política"... eu posso até concordar com isso e entendo as razões para as pessoas acabarem se desiludindo, mas acho que seria bem conveniente ter algo a mais para pensar e falar.

6) por fim, a eleição para vereador é um show de horror. metade ali caiu de pára-quedas e não tem a menor noção de nada. vomitam em poucos segundos um textinho de dar vergonha, normalmente afirmando que vão melhorar isso, aquilo e aquilo outro. tem os que querem ser engraçadinho ou se sustentam na fama conquistada por outros meios e os políticos profissionais, corruptos e desonestos (ou no mínimo acostumados com benesses e confortos moralmente questionáveis) de longa data que sempre conseguem uma boquinha no legislativo, porque a população em geral escolhe parlamentar como quem escolhe a cueca a ser usada no dia... não me espanta a gritante inoperância da câmara dos vereadores, que só vota nome de rua e dia a se homenagear esse ou aquele.

é isso. boa festa da democracia pra vocês.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

a galera no mundo muçulmano está doida!!!



tenho acompanhado, ainda que superficialmente, toda a ensandecida onda de protestos em vários países muçulmanos (em sua totalidade ou em quantidade relevante). sudão, catar, afeganistão, paquistão, filipinas, iêmem, índia (região da caxemira). milhares de pessoas nas ruas, atentados, mortes, bandeiras queimadas, gritos de guerra, os libaneses do hezbollah conclamando para novos protestos. e tudo isso por causa de um filme de quartorze minutos!

tá certo, eu entendo que a situação é muito mais complexa do que a princípio pode-se supor. como disseram à exaustão, retratar maomé de maneira tão perjorativa como foi feito é um pecado gravíssimo. caracterizaram-no no filme como um mulherengo, homossexual, molestador de crianças, tolo, falso religioso e sanguinário. satirizar o profeta deles é quase como satirizar toda a população, em suas crenças, costumes e identidade. é quase uma declaração de guerra.

entendo também que o histórico da relação com o ocidente (especialmente os EUAl) é desastroso e que qualquer faísca faz tudo ir pelos ares na região. boa parte da população tem um forte sentimento anti-americano bem arraigado e que todos nós sabemos muito bem por quê (basicamente uma política externa imperialista).

porém, mesmo ciente desses dois pontos, não posso achar tranquilo que o direito quase sagrado de liberdade de expressão seja cerceado simplesmente por que alguns grupos achem que outras pessoas não devem se comportar daquela maneira. elas tem todo direito de estabelecer condutas no interior de seu grupo (ou seja, quem é muçulmano deve seguir os preceitos da religião) e acho até aceitável que o estado, baseado em sua soberania e em suas leis proibam certas condutas. nada de novo até aí. porém não posso concordar que pessoas morram e que se crie um profundo mal-estar mundial por causa da porra de um filme de mau gosto. as leis deles devem servir para eles, devemos respeitar, assim como deve-se respeitar que em outros países as coisas funcionem de maneira diferente.

maomé é sagrado para os muçulmanos, assim como outras religiões têm seus símbolos sagrados, mas ninguém pode querer que o restante do mundo os considere igualmente sagrados e digno de interdições. uma coisa é respeitar o povo, sua cultura e religião, outra bem diferente é querer que eu daqui, compartilhe das mesmas ideias e das mesmas crenças. as pessoas por aí criticam e satirizam jesus cristo, moisés, o papa e o diabo a quatro e deve ser assim, por que é também legítimo o direito enquanto ser humano de se expressar, de criticar, de me posicionar de forma diferente, por mais que se considere o que se diz de uma imbecilidade absurda. as réplicas e os contra-ataques devem estar sempre no plano do diálogo, da opinião pública e de atitudes ponderadas.

e ontem uma revista francesa lançou uma edição cheia de charges retratando maomé. o governo francês está morrendo de medo da reação dos fundamentalistas. eu pessoalmente acho válido o lançamento da tal revista, apesar de questionar o oportunismo do momento.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

sobre o "nó na orelha"


o cd do criolo é bom para caralho!
digo isso após ouví-lo pela quarta vez... nem precisava tanto.
no fim da segunda música eu já tinha certeza disso e até o fim ele não me decepcionou.
nunca ritmo e poesia fizeram tanto sentido pra mim, me pegaram de jeito.
letras fortes, poesia inspirada, misturas musicais empolgantes.
indiscutivelmente um nó na orelha.
______________________________________

"são paulo é um buquê
buquê são flores mortas
num arranjo lindo
arranjo lindo feito pra você
não existe amor em sp"

"vamos as atividades do dia:
lavar os copos, contar os corpos e sorrir"

"cientista social, casas bahia e tragédia gosta de favelado mais que nutella"

domingo, 2 de setembro de 2012

mês nove

"Mas vem junho e me apunhala
vem julho me dilacera
setembro expõe meus despojos
pelos postes da cidade
(me recomponho mais tarde,
costuro as partes, mas os intestinos
nunca mais funcionarão direito)"

(Gullar, Ferreira)

___________________________________
setembro... ah, setembro.

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

"- Ora, a famosa lucidez. Você é engraçado, meu caro, tem um medo tão louco de iludir a si mesmo que recusaria a mais bela aventura do mundo para não se arriscar a uma mentira."

E ela continua:

"- (...) sabe o que eu penso? Que você está se esterelizando aos poucos. Pensei isso hoje. Oh! Tudo é limpo e nítido em você; cheira a roupa lavada, é como se você tivesse passado pela estufa. Só que falta sombra. Nada de inútil, de hesitante, de estranho. É tórrido. e não me venha dizer que é por mim que faz isso; segue a sua tendência: você gosta de se analisar."

(SARTRE, Jean-Paul; A Idade da Razão)
__________________________

Ora, por que me diz tudo isso? Como sabe tanto de mim?

"Existir é isto: beber-se a si próprio sem sede."

terça-feira, 21 de agosto de 2012

propaganda é, sim, a alma do negócio...


se tem um mercado que eu nunca vou entender é o publicitário. quer dizer, inserido no nosso estilo de vida absurdamente consumista, baseado no espetáculo e no fetiche das mercadorias ele se insere muito bem, mas é só pararmos pra pensar um pouquinho melhor que as incoerências começam a surgir:
esse monte de publicitário auto-indulgente, se achando os artistas, a nata da criatividade, quebrando a cabeça para convencer que a mesma merda de sempre é uma merda nova. tudo de uma maneira muito artificial e cretina. estão aí os maiores jargões que não me deixam mentir.
eu acho babaca as empresas pagarem alguns caminhões de dinheiro para associarem suas marcas a pessoas famosas. pior ainda é imaginar que isso funciona... não me conformo em saber que eu, ao usar meu celular da claro, estou dando dinheiro para o fabuloso neymar ou para o ronaldo gordo. isso não faz sentido! eu NÃO uso a claro por causa dessas duas grandes personalidades. as propagandas recentes da fiat com michel teló ou a dupla que canta "eu quero tchu, eu quero tchá..." é outro exemplo de campanha imbecil. quer dizer, o que tem a ver eles com minha opção de comprar um carro da fiat?
sei que essa é uma área permeada de "acessos ao subconsciente", tentando convencer o consumidor pels emoções a comprar isso ou aquilo. são famosos os casos de propagandas de margarina com famílias felizes ou de absorvente com mulheres saltitantes e felizes por menstruarem...
o mais irritante é que a mesma empresa que gasta os tubos para criar uma campanha bem chamativa é a mesma que maltrata seus clientes com serviços insatisfatórios e atendimentos cinicamente ruins. ou seja, tá na cara que a tentativa é de enganar, afinal, as pessoas vão ser seduzidas mais pela imagem do que pelo serviço em si. eu tenho vontade de vomitar quando veja aqueles comerciais lindos, com celebridades, jingles alegres e recheado de frases de efeitos me dizendo o quanto é bom eu me foder na mão da merda de um banco ou de uma operadora de celular, por exemplo. sim, porque eu, tanto quanto o restante das pessoas, sou idiota o bastante para comprar sem questionar, só porque o maravilhoso mundo da propaganda assim me diz para fazer....

domingo, 12 de agosto de 2012

olimpíada é mais legal do que copa do mundo

cheguei a conclusão de que as olimpíadas são mais legais do que a copa do mundo. não dá tempo de enjoar de um esporte, porque são competições curtas e o tempo todo tem alguma coisa acontecendo.
também dá muito mais vontade de torcer pelo brasil do que numa copa. acho que a seleção brasileira de futebol representa tudo aquilo que eu mais detesto, uma instituição PRIVADA, poderosa e milionária apostando no propagandeado patriotismo pra potencializar os seus negócios e interesses pessoais e ainda atrair a paixão do torcedor... dentro de campo, de certa forma, você tem a nata do futebol mundial, caras que ganham uma pequena fortuna mensalmente para bater uma bola e por isso mesmo correm sempre o risco de parecerem desinteressados, mascarados e metidos.
por isso mesmo, e voltando às olimpíadas, é mais legal torcer pro atleta brasileiro que rala pra caramba pra estar lá e que, com raras exceções não é nem um pouco favorito pra competição... mais do que torcer por ser brasileiro, é emocionante ver esse pessoal lutando contras a adversidades pra fazer bonito lá (e normalmente se fudendo...).

quinta-feira, 26 de julho de 2012

de carona...


lembro que não gostei muito do terceiro disco, é muito difícil o terceiro ser tão bom quantos os outros. mas não tenho certeza... será que eu não gostei de você e acabei desgostando dele junto? impressão minha ou você veio com o vinil debaixo do braço pra me mostrar? sei lá, se parar pra pensar assim parece bobagem... acho que é mais porque eu ouço muita coisa e demoro um pouco pra perceber que aquilo que eu deveria ter ouvido lá atrás na verdade passou batido por mim. claro, sempre dá pra correr atrás do prejuízo. e é boa a curiosidade de querer descobrir algo que já se conhece (apesar de não o bastante ou simplesmente de uma maneira difente).
se eu fosse um pouco mais sensato pensaria que estou (estamos? não posso afirmar... cada um terá que responder por si) sempre trocando meus ouvidos. aí, com um ouvido diferente eu ouço tudo diferente e a música que já existe há séculos se parece vagamente com a que eu ouço agora. e o que meu ouvido antigo achava não tão vem bem a calhar para esse novo. se eu ousasse ainda mais em minha sensatez, diria que troco sempre meus olhos, meu nariz, minhas mãos... ótimo, bom motivo pra querer (re)conhecer tudo de novo. boa coisa pra me manter ocupado por um tempo. afinal, como ouvi na tv um dia desses, a vida é muito longa e como disse um cara afeito à escrever coisas bonitas, nessa vida é "preciso estar sempre bêbado, de vinho, poesia ou virtude" (à escolha do freguês). mas não vem ao caso agora...

quarta-feira, 25 de julho de 2012

contra o trabalho

"ninguém jamais deveria trabalhar. o trabalho é a fonte de quase todos os sofrimentos no mundo. praticamente qualquer mal que se possa mencionar vem do trabalho ou de se viver num mundo projetado para o trabalho. para parar de sofrer precisamos parar de trabalhar."
_____________________
as palavras de bob black, logo no início do texto não deixam dúvidas e, apesar de ser reticente quanto a essa origem única do sofrimento humano, fiquei impressionado mais uma vez (já que li uns seis anos atrás o mesmo texto) com o quanto nossa vida em geral é pautada pela imbecilização crônica e o desgaste físico e mental, através de trabalhos repetitivos e monótonos em condições totalitárias. isso sem falar nos milhares de acidentes de trabalho e mortes causadas enquanto tais tarefas são executadas. tudo tão claro e esfregado na nossa cara e nem percebemos...

parem pra pensar: um trabalhador médio é um "escravo em meio período". seu comportamento é totalmente condicionado e delimitado pelo patrão, que o diz a que horas entrar, o que e como fazer, quando descansar, o que vestir, como se comportar, etc. ele é vigiado e controlado o tempo inteiro e, igual a uma criança pode ser chamado a atenção, punido e até demitido caso não faça o que se espera dele.

o trabalho (palavra derivada de tripalium, castigo que se dava aos escravos preguiçosos) condiciona todos os aspectos da nossa vida e o ethos da sociedade como um todo. paira no ar, como uma verdade inquestionável que o trabalho dignifica o homem e que ser virtuoso é ser trabalhador. uma massa que todo dia sai de suas casas disposta a trocar sua força de trabalho por comida e, se possível, um algo a mais e que crê que esse é o caminho para a prosperidade.



toda a evolução tecnológica, principalmente no século XX não favoreceu e nunca favorecerá nem um pouco a condição de vida dos trabalhadores (o que melhorou foi simplesmente por medo da ameaça real e crescente dos movimentos sindicais e organizações de esquerda). o discurso burguês sempre foi e continuará sendo que não é possível diminuir a jornada de trabalho ou melhorar a condição de vida dos trabalhadores. assim como diziam não ser possível abolir a escravidão negra ou reduzir jornadas que no século XIX chegavam a 16 horas.

pode ser que isso soe muito extremista, mas, se pararmos para pensar um pouco poderemos ter noção do quão absurda é essa relação de exploração, debilmente mascarada sobre a noção vaga de que somos livres e iguais em direitos e oportunidades. talvez não nos espantemos tanto simplesmente pelo fato de nascermos numa época como essa, assim como quem nasceu no século XVII achasse natural que negros fossem escravos. simples assim, não conseguimos enxergar o palmo diante do nosso nariz...

e que fique claro, o problema não está na atividade humana em si, no fato de nós interagirmos com a natureza e com outras pessoas desde sempre, mas sim na maneira como isso se dá entre nós, na mercantilização da mão-de-obra que nos reduz a apêndices de intricadas engrenagens industriais e corporativas, que nos robotiza e nos imbeciliza, enfim, que nos transforma em um contingente sem personalidade e vontade própria.

terça-feira, 17 de julho de 2012

de quando o jovem macário encontra-se com um desconhecido numa estalagem

MACÁRIO - É uma coisa singular esta vida. Sabes que às vezes eu quereria ser uma daquelas estrelas para ver de camarote essa comédia que se chama o universo? Essa comédia onde tudo que há de mais estúpido é o homem que se crê um espertalhão? Vês aquele boi que rumina ali deitado sonolento na relva? Talvez seja um filósofo profundo que se ri de nós. A filosofia humana é uma vaidade. Eis aí, nós vivemos lado a lado, o homem dorme noite a noite com uma mulher; bebe, come, ama com ela, conhece todos os sinais de seu corpo, todos os contornos de suas formas; sabe todos os ais que ela murmura nas agonias do amor, todos os sonhos de pureza que ela sonha de noite, e todas as palavras obscenas que lhe escapam de dia... Pois bem, a esse homem que deitou-se mancebo com essa mulher ainda virgem, que a viu em todas as fases em todos os sues crepúsculos, e acordou um dia com ela ambos velhos e impotentes, a esse homem, perguntai-lhe o que pe essa mulher, ele não saberá dizê-lo! Ter volvido e revolvido um livro a ponto de manchar-lhe e romper-lhe as folhas, e não entendê-lo! Eis o que pe a filosofia do homem! Há 5 mil anos que ele se abisma em si, e pergunta-se quem é, donde veio, onde vai, e o que tem mais juízo é aquele que moribundo crê que ignora!

(Ao que Satã respondeu: "Eis o que é profundamente verdade!". E continuaram a conversa entre o vinho e a fumaça)

Álvares de Azevedo - Macário

quinta-feira, 12 de julho de 2012

uma coisa sobre a in/ felicidade

É claro que a vida é boa
E a alegria, a única indizível emoção
É claro que te acho linda
Em ti bendigo o amor das coisas simples
É claro que te amo
E tenho tudo para ser feliz
Mas acontece que eu sou triste...

(Vinícius de Moraes)




afinal de contas, o que é a felicidade?
melhor dizendo, o que nos torna felizes ou ser infelizes?
longe de querer responder a essas perguntas complexas, quero resgistrar que fiquei pensando, depois que o assunto surgiu numa mesa de bar, dias atrás...

a princípio parece simples, não é difícil fazermos uma associação direta entre felicidade e satisfação de nossos desejos, principalmente materiais e afetivos. todas as pessoas que jogam na mega sena consideram que aquele dinheiro lhes fará mais felizes. a mesma coisa de quem busca o grande amor da vida.
por oposição um pessoa que se encontra em uma situação de vunerabilidade material é vista como mais propensa a estar infeliz.
olhamos de fora uma pessoa e considerarmos que "aquele sim é um padrão de vida que traz felicidade". um bom emprego, uma família saudável e unida, carro, casa, casamento, fartura... pergunte para qualquer pessoa e as chances dela falar que pessoas assim são felizes é enorme.

o que me intriga porém é reconhecermos que, de fato, tudo isso (e muito mais) não é suficiente para assegurar que sejamos felizes. a angústia, melancolia, depressão não costuma respeitar classes sociais. é o velho clichê "dinheiro não traz felicidade". podemos até ter um ímpeto de julgar tais pessoas dizendo que "elas não tem motivos para serem felizes", que "elas tem tudo que poderiam querer", que "devem valorizar o que têm", que "enquanto tem tanta gente morrendo de fome, aquela tal pessoa está fazendo uma tempestade por causa de um motivo fútil". acho justo considerarmos, enquanto pertencendo à uma coletividade, que aquele que são tristes por que vêem seus filhos passarem fome, por exemplo, precisam mais de nossa atenção e ajuda, mas não concordo que a tristeza daquele que "chora de barriga cheia" é menor ou que não deve ser considerada... quem vê de fora nunca vai ter a real dimensão daquilo para aquele indivíduo e, apesar de despertar menos nossa compaixão, deve ser respeitada.

tudo bem (e aqui vai minha opinião), conquistas, objetivos alcançados, considerar-se melhor hoje do que ontem (em diferentes âmbitos da vida), pode sim trazer uma sensação de felicidade. mas o que eu acho que traz essa sensação é justamente a comparação. é você passar o dia inteiro com um sapato apertado e no fim do dia poder tirá-lo. tenho certeza absoluta que um aumento de 600 reais nos meu ganhos me fará mais feliz (ainda que por um período de tempo limitado) do que se o eike batista começar a ganhar mais 100 mil reais todo mês. a satisfação que tais bens trazem tendem a ser descrecentes, além de dependerem da leitura que fazemos da nossa situação atual e a expectativa que temos do futuro próximo. é aquela história de ficar feliz quando se acha  um dinheiro perdido num bolso da calça. aquilo sempre foi nosso, mas a ausência de expectativa acentua o contentamento.

talvez eu tenha me desviado um pouco do foco da questão. quero mesmo é dizer que não acredito em Felicidade (um estado mais ou menos permanente e definitivo), mas sim em momentos de felicidades. E mais: esses momentos de felicidade (ou de harmonia interior, no sentido de que não estamos nos debatendo, buscando algo que não está ao nosso alcance) dependem basicamente da nossa capacidade em valorizar o cotidiano, estar atento aos bons momentos em que a vida vai te proporcionar e saber que estar infeliz é um lado da moeda do qual não se pode fugir e importante, na medida em que nos torna mais fortes e conscientes. o ser humano é um animal constantemente insatisfeito, buscando sempre algo que sempre esteve lá, que não sabe o que quer e muitas vezes faz escolhas erradas. não existe alguém que esteja imune à infelicidade, nem no muro mais alto da mansão mais cara ou no carro mais luxuoso e confortável...

quarta-feira, 20 de junho de 2012

"O sonho do automóvel na cidade de São Paulo acabou"



A seguir, trechos de uma entrevista com o engenheiro de tráfego Horácio Augusto Figueira, sobre a questão do trânsito em São Paulo:

SPressoSP – Por que este custo-benefício ainda é tão caro?

Horácio Augusto Figueira - Pelo congestionamento imposto pelos automóveis, o poder público não tem a coragem de falar que uma faixa de ônibus transporta dez vezes mais pessoas que a mesma faixa ao lado de automóveis. A sociedade e a mídia cobram que existem muitos congestionamentos, acho que ainda tem pouco. Eu acabaria com o rodízio em São Paulo, para a cidade sentir o que é a verdade do automóvel.
Todo mundo quer andar de carro, mas não existe espaço físico que comporte mais automóveis na cidade de São Paulo. Não tem mais obra viária que vá resolver a questão da mobilidade por transporte individual. Não tem alargamento de marginal, ponte ou túnel que dê conta.
Não sou contra o automóvel. Tenho automóvel, mas me recuso a ir para o centro da cidade com transporte individual. Não cabe, é um problema físico. Você consegue colocar cem pessoas em 1 metro quadrado? Não consegue, e o que estão querendo fazer com o automóvel é isso. A 23 de Maio vai continuar a mesma, e não podemos desapropriar a cidade inteira para entupir com automóveis.
Você vê o que aconteceu na Marginal Tietê, a prefeitura e governo estadual investiram quase 2 bilhões de reais para alargar a Marginal e os congestionamentos voltaram. Aí eles restringiram os caminhões, e os congestionamentos voltaram. E agora, quem eles vão tirar? Os pedestres, vão acabar com as calçadas? Não tem o que fazer, a demanda é tão grande que qualquer avenida inaugurada hoje, em um mês já vai estar entupida.

SPressoSP – Recentemente o pré-candidato à prefeitura de São Paulo, José Serra, afirmou que investir em ônibus em São Paulo iria engarrafar ainda mais a cidade. O que o senhor acha desta afirmação?

Horácio Augusto Figueira – Iria engarrafar o trânsito de automóveis, quando, na verdade, é o contrário, são os automóveis que engarrafam o trânsito do transporte coletivo e não deixam os ônibus andarem. É um viés, precisamos voltar aos bancos escolares para ter uma aula sobre o que é engenharia de transporte de pessoas. O ex-governador que me perdoe, mas quando eles falaram que iriam alargar a Marginal Tietê eu avisei, em uma entrevista, que iam jogar nosso dinheiro no lixo. Nas dez faixas da Marginal Tietê passam em média 15 mil automóveis por hora. Se multiplicarmos esse número pela ocupação média de 1,4 passageiro em cada automóvel, dá 21 mil pessoas por hora. Qualquer engenheiro da prefeitura sabe que uma faixa exclusiva para ônibus biarticulados, bastando apenas permitir a ultrapassagem no ponto, consegue transportar, com um padrão razoável de conforto, todas as pessoas que estão entupindo as dez faixas da marginal.
Quando o candidato diz que vai entupir a cidade, ele só está enxergando o congestionamento de automóveis, e o que eu lamento é o congestionamento de ônibus. (...) É só verificar o problema e aumentar mais uma faixa para o transporte público pelo tempo necessário. E os automóveis? Não estou mais preocupado com os automóveis. Se continuarmos preocupados com automóveis não tem mais o que fazer. Posso investir um trilhão de dólares em obras viárias em São Paulo que nunca mais vou conseguir resolver o problema da mobilidade.
Resumindo tudo o que estou falando, o sonho do automóvel acabou na cidade de São Paulo. Ele foi bom há 40 anos, quando era 1 em mil. Hoje, tem famílias que têm oito veículos para fugir do rodízio. É o rodízio da hipocrisia, você que é pobre não vai andar, mas eu que sou rico pego meu outro carro.
O metrô e o trem vão resolver o problema? Vão resolver os grande eixos de demanda, mas não da mobilidade de uma cidade que tem mais de mil linhas de ônibus. Você nunca vai ter uma malha de metrô de 2 mil quilômetros nem daqui a 1.000 anos. O sistema de ônibus é aquele que sobe o morro, que atende as ruas de bairros, e muitos dos seus eixos têm que ser estruturadores do sistema de transportes. Tem eixos que não precisam de metrô. Um corredor bem feito e bem operado resolve o atendimento da demanda, basta que você tenha linhas tronco. Por exemplo, a Rebouças, onde operam mais de 30 linhas de ônibus, teríamos que transformar em quatro ou cinco linhas troncos com ônibus biarticulados, como se fosse um metrôzinho sobre pneus. Outra medida é implantar um sistema de semáforo onde o ônibus converse com o semáforo por radiofrequência para diminuir o vermelho. Londres implantou isso em 77 e diminui 30% no tempo de percurso, e Curitiba está com isso faz três meses em todos os seus corredores.

_______________________
Basicamente a repetição de ideias um tanto quanto óbvias, mas que parece que o poder público e a sociedade em geral não enxergam.
Até hoje a questão parece ser sempre a tentativa proporcionar melhorias no fluxo do transporte individual, como se andar de carro numa cidade entupida e poluída fosse um direito sagrado e inquestionável.
A lógica profundamente arraigada de que o carro deve se sobrepor a toda e qualquer alternativa de transporte público... Aí os governantes, em atos desesperados e inúteis investem pesadamente em obras viárias ou passam a restringir tanto quanto possível o trânsito em vias estratégicas.
Gostaria que algum prefeito desta cidade tivesse a coragem de revolucionar a política de mobilidade urbana e restringisse de fato o espaço dos carros em favor dos corredores de ônibus.

terça-feira, 19 de junho de 2012

malufismo e petismo, agora andando de mãos dadas

implodiram de vez o pt...
parece que não tem mais pra onde "flexibilizar" o que restava de ideológico e da agenda esquerdista no dito partido dos trabalhadores.
hoje é um partido comum, desses com sede de poder e que não medem esforços para obtê-lo. partido que sabe muito bem usar a sua força para conquistar benefícios para seus aliados.
mesmo que seja agir exatamente da maneira como condenava os outros por agirem ou se aliar a inimigos históricos... e o da vez é o dr. paulo maluf.
isso mesmo. pra quem tem um pouquinho de memória, num passado recente, petistas e malufistas pareciam água e óleo, profundos antagonistas no cenário político, principalmente municipal.
foi assim em 92, 96, 2000. depois perdeu um pouco de força, mas eu não imaginava que em poucos anos tudo estaria tão diferente a ponto de lula e maluf posarem para fotos de mãos dadas.
e eu nem discuto aqui o quanto o maluf é um bom ou mau político (apesar de ficar subentendido o que eu penso), mas, pra começo de conversa, não posso confiar num partido que muda tanto de opinião em tão pouco tempo assim e que não faz a menor questão de esconder que se alia à direita para ganhar alguns segundos a mais de propaganda eleitoral...
já não é de hoje que não nutro a menor simpatia pelo pt e sua maneira de fazer política. acho desastrosa a sua adesão ao fisiologismo e alianças com o conservadorismo.
o lula se tornou uma personalidade autoritária e cheia de si, deslumbrada com sua capacidade de mobilizar de uma só vez as massas e a elite política (que anseia uma oportunidade de pegar onde em sua popularidade).
enfim, não voto e não consigo imaginar como um militante ou simpatizante do pt conseguirá justificar um voto em haddad sem igualmente relativizar suas convicções políticas.

sexta-feira, 1 de junho de 2012

"Um estado totalitário verdadeiramente eficiente seria aquele em que os chefes políticos de um Poder Executivo todo-poderoso e seu exército de administradores controlassem uma população de escravos que não tivessem de ser coagidos porque amariam sua servidão. Fazer com que eles a amem é a tarefa confiada, nos Estados totalitários do hoje, aos ministérios de propaganda, diretores de jornais e professores." (p. 20)

 (...)

"À medida que diminui a liberdade política e econômica, a liberdade sexual tende a aumentar como compensação. E o ditador (a não ser que precise de massa de manobra e de famílias para colonizar territórios despovoados ou conquistados) agirá prudentemente estimulando essa liberdade. Em conjunção com a liberdade de sonhar sob a influência das drogas, do cinema e do rádio, ela ajudará a reconciliar os súditos com a servidão que é o seu destino." (p. 23)

HUXLEY, Aldous. Admirável Mundo Novo. São Paulo, Ed. Globo, 2009
________________________

Dá pra acreditar que esse cara escreveu o texto do qual tirei esses dois parágrafos em 1946? Parece que foi na semana passada...

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Tributo à Legião Urbana


Legal o tributo à Legião Urbana de ontem. Foi bem interessante ver os dois remanescentes da banda de novo no palco, acompanhado por um vocalista carismático e fã declarado da banda.
O Wagner Moura foi até esforçado, deu a real impressão que tinha um gosto enorme em fazer aquilo, mas devo dizer que infelizmente a voz que ele tinha como missão substituir (e com a qual é impossível não haver comparações) foi a mais potente do rock nacional. O Renato Russo cantava demais e as músicas ganhavam uma outra amplitude com a sua interpretação.
Isso não é demérito, de jeito nenhum. Gostei de ver a empolgação genuína, sentir a força daquelas músicas de 20, 30 anos atrás... Pontos altos pra mim foram: Sereníssima, 1965 (Duas Tribos), Antes das Seis e, principalmente Se Fiquei Esperando Meu Amor Passar. Meu lembrou muito a época em que cada música dessas batia de uma maneira tão certeira em mim, eu sentia cada acorde desses como se fosse único. Sei lá, essa coisa que só rola na adolescência. Um sentimento que eu imagino que nunca irei ter de novo... Ainda assim é legal rolar essa identificação. Algo cantado por milhões, feito por alguém que nunca te viu na vida e não faz a menor ideia de quem é você, gerar uma ligação profunda dessas, como se fosse feito pra você (aposto que todo mundo tem algumas músicas com as quais se sintam assim).
Enfim, o show de ontem valeu pra mostrar o que não somos mais, mas que ainda assim merece ser lembrado.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

a greve de ontem e o descontentamento dos escravos por não poderem ser explorados...

ontem teve greve no metrô e o "caos" se instalou na cidade de são paulo (que já é caótica)...

parto do princípio de que a greve é um direito legítimo e necessário para os trabalhadores, adquirido historicamente através de muita luta, para tentar negociar com os patrões atingindo-lhes naquilo que lhes é mais caro: o lucro, acumulado através da exploração do trabalho de seus empregados. a greve é usada de forma sempre justa e bem intencionada? não. há outros interesses pessoais e escusos no meio? sem dúvidas! mas mesmo assim considero-a um recurso importante nas relações de exploração de mão-de-obra.

o que surpreende (ou nem tanto, vai...) num acontecimento como o de ontem é o quanto a sociedade, conservadora no seu modo de pensar e robotizada no seu modo de agir, lamenta por não poder comparecer a seus postos de trabalho. o quanto nós, explorados como um todo, criamos uma necessidade quase patológica de nos submetermos, de estar ali quando o patrão precisar, de ansiar pelo cabresto... fico pensando: é uma ínfima parte da população que realmente precisaria sair de casa ontem por questões de urgência. a grande maioria queria mesmo era dar as 8 horas diárias da sua vida pro patrão.

somos escravos e ponto. vendemos nossa força de trabalho por comida e, com sorte, um quinhão a mais. nos debatemos para aproveitar as maravilhas da sociedade de consumo. nos hipnotizamos em frente a tv pelo estilo de vida das celebridades. perdemos parte de nossas vidas num movimento sem sentido e alienante de ir e vir (o qual costumam chamar, erroneamente, de liberdade), de obedecer passivamente. se acontece algo como o que aconteceu ontem, a primeira reação que temos é criticar, demonizar como uma "afronta a são paulo"... não, senhores, isso é uma afronta a quem manda em são paulo, aos donos do dinheiro e do poder de são paulo. a real afronta à população de são paulo são as péssimas condições de vida a qual já somos submetidos.

nem questiono se a greve de ontem estava certa ou não e acho que cada cidadão tem o direito de ter sua própria opinião sobre a questão. o que me espanta de fato é que de maneira geral os escravos do século XXI estão se focando no ponto errado. não houve prejuízo ao "DIREITO DE IR E VIR", já que tal direito é meramente formal, não existe de fato. quanto trabalhadores vão todos os dias para lugares que NÃO GOSTARIAM DE IR, fazer o que não quer? quanto deles têm trabalhos enfadonhos. e quantos não sofrem diariamente calados com as más condições do transporte para chegar até seus postos de trabalhos?  

falam da afronta a "rotina de são paulo", como se falasse da coisa mais sagrada do mundo. como se essa rotina não fosse uma enorme merda para a grande maioria de nós, inclusive os pequenos burgueses, aqueles que têm melhor sorte, mas que acabam sendo quase tão escravos quanto qualquer outro. falam do "enorme estrago causado na vida da população", como se todos os dias não perdessemos um pouco de nossas vidas em trens e ônibus lotados, numa cidade poluída, suja e feia, em postos de trabalho distantes de nossas casas, em tarefas alienantes e tediosas, para ganhar pouco.

então, por favor, senhores, quando forem encher a boca pra falar dos "prejuízos causados" por essa ou qualquer outra greve, lembrem-se que a vida de vocês (ou em nome de quem vocês falam) normalmente já é uma grande porcaria. quem perde com isso é quem TEM algo a perder e não quem trabalha durante o dia pelo alimento da noite...

quarta-feira, 23 de maio de 2012

"O futuro do homem, a mutação profunda. A arte deve participar diretamente desta nova forma, libertando conceitualidade e imaginação. Um dos aspectos da nova metodologia é a presença da consciência da perturbação como elemento motor de uma evolução. A desordem será a provocação do pensamento criativo, inventivo, pois a  ordem, neste momento, representa a esclerose que ceifa a ideia."


quarta-feira, 9 de maio de 2012

copa do mundo no brasil é cilada

esqueça. você, cidadão comum, não vai aproveitar em nada uma copa do mundo no brasil. no máximo vai poder macaquear por aí que seu país receberá o maior evento esportivo do mundo. porém, o preço a se pagar por esse "privilégio" é um pouco alto. diria mais, é escandaloso.

a copa 2014 será a mais cara da história. mais cara que as últimas três (coréia e japão, alemanha e áfrica do sul) JUNTAS! você pode ter a certeza que um bando de corruptos e oportunistas estão neste exato momento esfregando as mãos esperando todo o dinheiro que ainda vai sar do cofres públicos em direção a seus bolsos. afinal,com as obras atrasadas é questão de tempo pros diferentes níveis de governo começarem a soltar milhões de reais pra que tudo fique pronto a tempo. você acreditou mesmo quando disseram que o dinheiro para as obras viria da iniciativa privada? me dá até arrepio imaginar uma dessas reuniões feitas para tratar de assuntos da copa... aquele monte de interesses pessoais em jogo, todo mundo querendo se dar bem, levar o seu quinhão.

sabe o que é mais ridículo, constrangedor? é quererem vender a ideia de que, para sermos anfitriões da copa vale tudo, até nos fodermos imensamente. vale vendermos a alma, em detrimento de investimentos em áreas que realmente deveriam importar para o país. afinal, temos que ser patriotas. temos que ficar felizes por estarmos em evidência dessa maneira. é quase como ficar feliz por ser estuprado pelo próprio pai, afinal, família é pra essas coisas, né? não...

não sei onde ouvi isso, mas me lembro de uma frase que diz que "o último refúgio do canalha é o patriotismo", ou seja, quando começam a vender uma ideia pra você abusando da retórica de pertencermos à mesma nação e que ser patriota significa dar um cheque em branco ou aplaudir tudo que se faz usando a ideia de nação como desculpa, deve-se começar a ficar desconfiado. sinto muito, não cola comigo. não vou fazer parte daqueles que macaquearão felizes da vida a maravilha de evento que é a copa. pelo contrário, vou lamentar o quanto seremos lesados com ela. daremos um festa de arromba e no dia seguinte ficaremos com a conta e com a geladeira vazia...

esqueça essa história de legado. é pra boi dormir. o brasil não estará melhor depois da copa, não haverá o tão alardeado e necessário investimento em áreas estratégicas como transporte, aeroportos, turismo, etc. vão dar um bela maquiada e bola pra frente! serão construídos alguns elefantes brancos, aquelas obras faraônicas e desnecessárias, estádios que após um mês de uso ficarão sub utilizados...

se acham que essas previsões são muito pessimistas, se estou sendo espírito de porco ao não compactuar dessa efusiva festa do futebol da qual deveria me orgulhar, sugiro que mirem-se no exemplo do pan-americano que aconteceu no rio em 2007, no qual o gasto final com os jogos foi mais de 600% superior ao estimado inicialmente. simplesmente abriram o cofre e saquearam à vontade, sem licitação e sem controle, igualzinho vai acontecer daqui pra frente.

portanto, se você não é sócio de uma grande empreiteiras, se não tem ligações escusas com o governo, com a cbf, a fifa ou a rede globo, pode desistir, porque você não vai se beneficiar em nada com a tal grande copa do mundo de 2014. as chances de você ir assistir no estádio não quase mínimas e mesmo que vá, saiba que a conta a se pagar depois será enorme...

sexta-feira, 27 de abril de 2012

Escrevendo

"Não me lembro mais onde tudo começou, foi por assim dizer escrito todo ao mesmo tempo. Tudo estava ali, ou devia estar, como no espaço-temporal de um piano aberto, nas teclas simultâneas do piano. Escrevi procurando com muita atenção o que se estava organizando em mim e que só depois da quinta paciente cópia é que passei a perceber. Meu receio era de que, por impaciência com a lentidão que tenho em me compreender, eu estivesse apressando antes da hora um sentido.(...) Se eu pudesse escrever por intermédio de desenhar na madeira ou de alisar uma cabeça de menino ou de passear pelo campo, jamais teria entado pelo caminho da palavra."

LISPECTOR, Clarice. Para Não Esquecer, pág. 122-123. Rio de Janeiro, Editora Rocco, 1999.

_______________________________________
e ainda: "a certeza só aparentemente paradoxal de que o que atrapalha ao escrever é ter de usar palavras".

...porque é assim mesmo. se aventurar "a vestir uma ideia com palavras" é tarefa incerta, mania cansativa e frustrante. as palavras são tão poucas (5 milhões, digamos), enquanto há um infinito (infinito e meio) a se dizer por meio delas.
as teclas de um piano são todas, os dedos a tocarem-nas são tão poucos, que eu só posso tocar uma canção por vez...


[é que a clarice tocou nesse assunto e eu fiquei a pensar nele...]

segunda-feira, 23 de abril de 2012

tava aqui pensando...

A cidade de São Paulo é uma aberração com uma frota de mais de 7 milhões de veículos para 11 milhões de pessoas, ou seja, dois carros para levar três pessoas! É estarrecedora a quantidade de pessoas que trafegam sozinhas em seus carros diariamente (e mais incrível ainda é elas acharem ruim o trânsito caótico que elas mesmas criam!). A classe média ignorante toda feliz dentro de seu carro financiado indo trabalhar pra comprar gasolina e pagar o boleto. opa, eu disse feliz? não, não... é impossível dirigir em são paulo e ser feliz ao mesmo tempo.

Fala-se tanto em saúde pública (em incentivar as pessoas a pararem de fumar, por exemplo), mas NUNCA vi nenhuma campanha efetiva incentivando as pessoas a usarem menos seus carros, sendo que o automóvel é muito mais prejudicial à coletividade que um cigarros. Pelo contrário, comprar carro aquece a economia, gera empregos, desenvolve o país... esse é o argumento mais nojento, burro e cínico que eu conheço. Se formos por esse lado nada pode ser digno de contestação, já que tudo que é comercializado faz a economia girar (de pirulitos a pedras de crack).

Milhares e milhares de quilômetros de vias públicas são subutilizadas pelo transporte individual e parece ser a coisa mais normal do mundo. A cidade não é do cidadão (que geralmente se espreme na calçada), é do carro, para ele passar, o mais depressa possível. Esses milhões de carros cospem diariamente toneladas de fumaça na cara de cada paulistano e achamos normal vivermos no lixão... Agora, fumarem do nosso lado? ah, isso não! Isso faz mal à saúde, isso é nojento. Lotar uma rua de milhares de pessoas fazendo uma passeata é um absurdo, um desrespeito à ordem, mas se esquecem que a rua é de todos e todos têm o direito de usá-la. Ninguém é especial porque se esconde dentro de uma caixa de ferro de uma tonelada. Acredite o sonho dourado de desfilar por ruas quase vazias com seu seu belo automóvel simplesmente não existe, enganaram você no comercial da tv...
_________________________
"A justificativa para a construção de novas ruas e estradas normalmente é a redução dos congestionamentos. Mas isso simplesmente não funciona. O aumento dos carros leva à construção de mais estradas e ruas, que por sua vez levam ao aumento do uso dos carros".

"Por que existe tão pouco espaço em nossas cidades onde as pessoas possam relaxar e interagir, livres do incessante comprar e vender da vida comum? Por que as pessoas são forçadas a organizar suas vidas em torno da posse de um carro".


LUDD, Ned (Organização). Apocalipse Motorizado: A tirania do automóvel em um planeta poluído.São Paulo, Ed. Conrad, 2004.


quinta-feira, 12 de abril de 2012

"o ctb [código brasileiro de trânsito] determina que na ausência de ciclovia, ciclofaixa ou acostamento transitável a preferência é do ciclista, e que os veículos  automotores devem reduzir a velocidade de forma compatível com a segurança no trânsito para ultrapassá-lo, além de guardar distância lateral de um metro e meio durante a ultrapassagem. mas no dia-a-dia os ciclistas que circulam nas ruas são vistos como intrusos pelos motoristas, por jornalistas arrogantes e desinformados e pela própria polícia. na nossa cultura, a rua está para o carro assim como o mar está para o peixe. a bicicleta é vista como um corpo estranho."

LUDD, Ned (Organização). Apocalipse Motorizado: A tirania do automóvel em um planeta poluído, pág. 128. São Paulo, Ed. Conrad, 2004.
______________________________________
e o mais espantoso é que a gente nunca se questiona se realmente são esses os peixes que gostaríamos de ver nadando em nosso mar...

sexta-feira, 23 de março de 2012

Bauman sobre a Justiça

"Mas como seria essa 'sociedade justa'? A única resposta que eu poderia oferecer de boa consciência é: uma 'sociedade justa' é aquela que pensa não ser justa o bastante, que questiona a suficiência dos níveis de justiça alcançados, sejam eles quais forem, e considera que a justiça está sempre pelo menos um passo adiante. Acima de tudo, é uma sociedade que reage raivosamente a qualquer csao de injustiça e desde logo procura corrígi-la".

(BAUMAN, Zygmunt. Bauman sobre Bauman: diálogos com Keith Tester, pág. 75, editora Zahar, 2001)
____________________________
gosto da ideia de justiça partindo de uma reação àquilo que é injusto. quer dizer não há aqui noções sólidas para o que cada uma dessas palavras significa. dada a nossa condição, não podemos conceber claramente (apesar de tentarmos sempre) o que é a justiça. mas podemos, isso sim, nos manter atentos, críticos de nós mesmos para buscá-la incansavelmente, ainda que cientes que não a alcançaremos em definitivo (num misto de dádiva e maldição). enfim promover a justiça (em seu sentido mais abrangente e virtuoso) deve ser um processo contínuo, uma longa e indefinida estrada e não uma linhade chegada...

quinta-feira, 22 de março de 2012

querenças...

sabe, acho que eu quero ver todos os filmes do woody allen. todos que ele lançar daqui até o dia de morrer.
talvez veja os dos irmãos marx.
acho que também vou querer ouvir todas as músicas do humberto gessinger (inclusive as ruins).
assim como as de todas as três mil e quinhentas bandas que eu gosto.
(espero que eu descubra e goste de muitas outras...)
ainda vou reler, muitas vezes mais, a estrela da vida inteira do manuel bandeira e a obra completa do ferreira gullar e do carlos drummond de andrade.
queria saber mais sobre muitos assuntos.
queria entender melhor foucault e lévi-strauss.
espero que continue passando chaves para sempre e que sempre me surpreenda sendo exibido nos horários mais inesperados
e que eu possa ler o final de evangelion antes de morrer.
queria saber dizer a coisa certa para cada pessoa em todos os momentos.
queria conseguir continuar fazendo música como um adolescente, mesmo que não fossem boas, que pelo menos fossem sinceras (na sua fragilidade).
e que eu tenha ainda o ímpeto (a ingenuidade) de escrever rascunhos que ninguém nunca vai ler (misto de sopro e de suicídio).
espero ansioso pelo dia em que verei meu time do coração conquistar o mundo pela quarta vez.
acho que vou querer andar de bicicleta pelo resto da vida...

_____________________
e continua...

quarta-feira, 21 de março de 2012

sobre o café à minha frente...

gosto de vê-lo girar dentro da xícara, naquele preto abismal. o cheiro inconfundível e o aroma forte, quase amargo.
o café em si não tem um sabor tão agradável
(não a ponto de justificar seu consumo diário em grandes quantidades).
mas nada substitui a vontade de tomar café.
no horário certo, inadiável
(coisa típica de um pequeno funcionário de uma repartição pública).
como se uma coisa não-tão-boa também merecesse ter seu lugar na minha rotina.
gosto de bebericá-lo bem quente, em pequenas goles e de preferência com os olhos perdidos em outras linhas.
não que isso venha ao caso, claro...

sexta-feira, 16 de março de 2012

autores cretinos de ideias estúpidas

estamos elegendo políticos sem o menor senso democrático, sem respeito aos direitos individuais do cidadão, sem uma visão global da sociedade e sem a menor preocupação pela sociabilidade e pelo convívio harmônico nas cidades.
sim, os políticos que aí estão, pelo menos uma grande parte, que se regojizam em aparecer publicamente com ideias estúpidas, demagógicas e rasas, parecem a reunião da liga das senhoras católicas, querendo manter a moral e os bons costumes. e quem duvida que vem mais por aí?

escrevo isso pensando em muitas "ótimas ideias" vomitadas de diferentes esferas do poder. a mais recente é a do deputado estadual campos machado querendo proibir o consumo de bebidas alcoólicas em vias públicas. sim, ninguém mais vai poder tomas umas no portão de casa ou na praia (!), sabe o motivo alegado? evitar que as pessoas dirijam bêbadas. puta que o pariu!!! isso é uma piada? é a mesma coisa que eu matar meu cachorro pra eliminar as pulgas dele. não faz o menor sentido. e ainda dizem que em outras cidades do mundo já existem leis assim. ótimo, se é pra copiar o primeiro mundo, londres tem 400km de metrô, então quero em sp também.

o josé mentor do pt criou um projeto de lei que visa proibir a exibição na tv de lutas violentas (ou seja, o mma). os argumentos são explicitamente moralistas (só ler aqui) e em resumo diz que mma é coisa de troglodita, que incita a violência nos seres humanos e que a tv, sendo concessão pública não deveria  "promover [esses] valores esportivos e civilizatórios do cidadão brasileiro". agora eu pergunto (perguntaria se tivesse a oportunidade): quem ele pensa que é pra dizer pra mim o que eu devo ou não assistir (e no caso eu nem gosto de assistir esse bagaça)? baseado em tais argumentos (de se "preservar" o cidadão) eu posso proibir QUALQUER coisa (se for pra ser assim, preserve minha saúde mental estirpando o bbb da tv, por favor), assim como se faz países autoritários. Eu tenho uma ideia melhor: que tal uma educação maciça e extrema qualidade que, entre outras coisas, desenvolva a capacidade de reflexão e de discernimento do cidadão. Sim, aí ELE vai poder decidir o que é bom ou não. Nós NÃO precisamos de um Estado tutor nos "preservando", CENSURANDO o que podemos assistir. Não há NENHUM indício que programas de tv violentos deixem as pessoas violentas, afinal a violência já existia antes de televisionarem o mma e vai continuar existindo com ele ou sem ele. se vier a existir pessoas que se influenciam por programas de televisão para justificar seus atos, ELAS são o problema e não o contrário. Têm pessoas que matam outras em nome da religião, mas nem por isso se propoem o fim das religiões (e nem quero isso).

Outro caso, o mais esdrúxulo na minha opinião, é a retirada de circulação do dicionário houaiss, que segundo um promotor público federal, trazia um significado perjorativo para a palavra "cigano".  essa é ainda mais absurda, afinal, supostamente o ministéio púlico possui em seus quadros promotores que passaram por um rigoroso processo seletivo para exercer o cargo e deveriam ser pessoas mais centradas e ponderadas, já que não dependem do voto do eleitorado - e da demagogia, ao contrário dos dois aloprados acima - para sobreviver em sua profissão.  porra, não é possível que sejam tão obtusos e ignorantes assim. alguém, por favor, avisa pra ele que os dicionário trazem os SIGNIFICADOS das palavras e muitas vezes vindo de diversos contextos sociais, e não o contrário. se popularmente "cigano" tem uma acepção perjorativa (assim como milhares de outras palavras que designam milhares de outros grupos sociais e que acabam ganhando significados extras) a culpa não é do dicionário. proibí-lo de tentar retratar o mais fielmente possível o que determinado verbete quer ou quis dizer em algu momento, em certo contexto social e indicando explicitamente que aquela é uma definição popular e perjorativa é uma ideia burra, risível e PERIGOSA. mais uma vez no  vemos diante de uma tentativa de restringir a circulação e o acesso à informação. parece besteira dizer isso? mas vamos supor que com o passar dos anos se torne praxe cada vez mais uma vigilância sobre os dicionários, aí começam a suprimir ou mudar o significado de uma palavra aqui, outra ali e no fim das contas estaremos à mercê de censores. o que além de tudo seria um desserviço ao conhecimento. o ser humano é generalizadamente preconceituoso e não é no dicionário que devemos tentar mudar isso, mas sim na ação efetiva, na ideias e nas atitudes de um para com os outros. Detalhe: procurei ao acaso o significado de francês no próprio houaiss e lá no fim está escrito assim: "8 falsamente delicado; hipócrita, fingido". fica a dica pra algum francês que se sentir discriminado por tal acepção. ou ainda em "baleia" uma das definições possíveis é "indivíduo muito gordo, obeso", o que, na lógica daquele distinto órgão seria também puro preconceito.

enfim, o problema não é se vão me dar enquadro ao tomar cerveja na rua, nem se vão proibir de passarem ufc na tv e muito menos se vou poder consultar o dicionário houaiss ou não. tô pouco me fodendo pra isso tudo. me preocupa, isso sim, representantes públicos com uma mentalidade tão tacanha, moralista, anti-democrática e beirando a ignorância, enquanto ações mais simples e efetivas trariam melhores resultados. em vez de ficar matutando qual vai ser a probição da vez, que tal (e sem querer ser demagogo) um profundo esforço coletivo pela educação, que transmita aos jovens noções de cidadania, capacidade de reflexão sobre as questões humanas, princípios de respeito e tolerância ao outro e que os ensine que as palavras, enquanto produto da vida em sociedade trazem significados que não necesariamente são aqueles que queremos. olha só que ideia simples! pode parecer chocante, afinal ninguém nunca pensa em  desenvolver a mentalidade do cidadão e a capacidade de formar e defender suas opiniões, mas, tal qual um grande rebanho, buscam somente traçar um caminho a ser percorrido, sem maiores esforços. com isso eu nunca vou concordar.

terça-feira, 13 de março de 2012

de um suspiro

"acho que tem meio que um lance de justiça divina nesta terra, ou equilíbrio universal se preferirmos tirar o tal 'deus' da jogada... é um alívio saber que cretino aqui cedo ou tarde também vai se foder grandão. quer dizer, dependendo da pessoa a gente até acha que merecia algo pior, mas pelo menos uma breve visita pelo inferno, cedo ou tarde, todos fazem. e não adianta espernear, botar a culpa em alguém deste ou de outro mundo.
"sei lá se é verdade o que dizem de que 'você planta o que você colhe' ou que 'um dia é da caça, outro do caçador', o fato é que alguma coisa ruim a gente sempre colhe e vez ou outra a gente invariavelmente se torna a caça.
"e por mais que tenhamos a impressão que a ordem das coisas é estática e que quem se dá bem continuará se dando sempre bem, eu tenho absoluta certeza que, mesmo que seja por um momento, todos nós estaremos de joelhos, clamando misericórdia, complacentes de nossa própria dor... não há escapatória.
"então você, que por convicção ou por descuido é um filho da puta (e aqui não cabe nenhuma dúvida quanto ao caráter da mãe, mas sim do próprio filho), que bate no peito, desafiando deus e o diabo (ou em nome deles), saiba que  a vida lá fora está esperando, sedenta pra te foder também... e você vai apanhar e vai chorar que nem criança longe da mãe."

terça-feira, 6 de março de 2012

o que eu aprendi com "a dama de ferro":

"Vigie seus pensamentos; eles se tornam palavras.
Vigie suas palavras; elas se tornam ações.
Vigie suas ações; elas se tornam hábitos.
Vigie seus hábitos; eles formam seu caráter.
Vigie seu caráter; ele se torna seu destino."

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

diagnóstico

"bem, senhor fulano de tal, tenho por dever informá-lo que analisamos detidamente todo o seu histórico, suas declarações anteriores, o testemunho de pessoas de vosso convívio, os arquivos contidos em nosso bancos de dados e podemos afirmar com toda a certeza que o senhor é um grandessíssimo idiota."


_________________
"mas, não há nada que eu possa fazer!?"
"não senhor, sinto muito... o que está feito, está feito"

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

daquela noite em que tocava "moose the mooche"

era quase madrugada e isso não importava,
nenhum barulho lá fora, a não ser um carro ou outro passando
da janela, uma grande lua branca testemunhava minha decadência
aquela casa era minha, os meus tijolos, minhas paredes, mas eu era um estranho
talvez os pensamentos não fossem meus...
e apesar de haver um indefinível gosto amargo na minha boca,
àquela altura eu não me lembrava de coisa alguma

charlie parker improvisava ensandecido em seu sax
e isso pra mim bastava no momento.
concentrei-me na sucessão vertiginosa de notas
as imaginei rodopiando pelo ar
tudo era som, afinal.

"talvez eu tivesse sido um bom músico de jazz;
tocaria com os melhores e morreria aos 34".
"sim", respondeu um interlocutor imaginário,
talvez tivesse sido um bom músico,
ou escritor, desenhista, cientista, ou qualquer coisa...
mas não poderia ser melhor homem-medíocre,
para isso você tem talento inigualável.

espantei-me com aquela resposta,
fiz um esforço para que a música que ecoava
abafasse qualquer tentativa daquela voz de continuar
"afinal, tudo é som".
pelo menos naquela noite deveria ser.

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Apologia

Cheirava e beijava todos os seus poros
todos os seus orifícios
decorei em tempo recorde
as maneiras com que ficava arrepiada

girava e girava-a sem descanso
puxava seus cabelos
descompasso
passo a passo

fiz um pedido

“me morde”
ela se fez de desentendida
abriu os olhos

percebi que se passou algo
comigo e com ela
não fomos os mesmos desde então
nunca mais

http://bassbassbass.blogspot.com/2011/06/apologia.html
________________________________

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

"o socialismo para mim não é o nome de um tipo particular de sociedade. é, sim, exatamente como o postulado de Marx de justiça social, uma dor aguda e constante de consciência que nos impulsiona a corrigir ou remoer variedades sucessivas de injustiça. não acredito mais na possibilidade (e até no desejo) de uma 'sociedade perfeita', mas acredito numa 'boa sociedade', definida como a sociedade que recrimina sem cessar por não ser suficientemente boa e não estar fazendo o suficiente para se tornar melhor."

(caderno Mais! Folha de S. Paulo, 19 de outubro de 2003)

sim, claro! pura ilusão (uma cegueira engessante) acreditar em sociedades perfeitas, isso só nos leva à arrogância e ao fundamentalismo ortodoxo. temos que ser realistas o bastante para admitir que elas não existem e que o processo que nos leva a melhorias no bem-estar de todos deve ser constante. a justiça social não virá de manuais, não há receita pronta. devemos, isso sim, estar em alerta o tempo todo.

esse fragmento tava aqui perdido como rascunho há alguns meses, mas ao reler senti vontade de postar. afinal parte de um pressuposto simples, mas que faz toda a diferença. talvez deveríamos começar aceitando que somos falhos e limitados, individual e coletivamente, na nossa capacidade de tornar as coisas melhores, mas que justamente isso nos torne mais empenhados em  melhorar e lapidar a reflexão sobre o que queremos e a nossa auto-crítica.

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

Terras das Oportunidades parte 2 - Manderlay

manderlay segue a proposta estética de dogville em sua quase ausência de cenário (lembrando muito nesse ponto uma peça teatral) e segue a história do anterior basicamente de onde ela parou. ainda estão presentes a mesma maneira de divisão do filme por capítulos e um narrador irônico que acompanha todo o desenrolar da história. um ponto negativo para mim foi mudança da atriz da personagem .
dessa vez o tema do qual se parte é mais específico (a escravidão nos EUA) e talvez por isso mesmo menos impactante inicialmente, apesar de podermos expandir seus resultados e nos surpreender com eles.
após sair de dogville, grace se depara com uma fazenda na qual a escravidão dos negros ainda perdura, 70 anos após sua abolição. ela se indigna com aquilo e, com a morte da senhora dona dos escravos ela os declara livres. receando que não soubessem o que fazer com aquela liberdade recém conquistada e convicta de que poderia fazer algo por eles, ela acaba decidindo ficar no lugar para ensiná-los a se auto-organizarem e cultivarem sua liberdade como algo positivo.
claro que nem tudo sai como ela planeja, uma série de problemas surgem na comunidade quando a relação senhor e escravo é rompida. o que nos leva a pensar que, por mais que eles estivessem numa condição anteriormente de sujeição, ainda assim havia uma lógica social em funcionamento, uma acomodação na qual ambos os lados estavam inseridos. podemos perceber de maneira clara o quanto uma relação de dominação, a partir da interiorização do status quo, pode ser dupla, desejada por ambos. E não só desejada, já que ela só pode se manter através da aceitação geral. grace só percebe isso após muito tempo, o que nos sugere a ingenuidade ou ineficiência de sua ideia de liberdade a qualquer preço, antes da emancipação do pensamento.
podemos expandir as conclusões que o tema traz e refletir justamente sobre como funcionam a dinâmica entre dominantes e dominados em qualquer relação social (seja entre classes inteiras ou entre indivíduos). a partir do momento em que o mundo como nós o conhecemos faz todo sentido e molda profundamente a identidade dos seres humanos e a maneira como devem se relacionar, fica extremamente difícil sair daquela condição. e isso é que grace e nós descobrimos de maneira amarga no decorrer do filme. a escravidão é desejável para aquelas pessoas na medida em que tal condição os insere no mundo a partir de uma ideologia já conhecida e tornada legítima. é o oprimido que muitas vezes que ratifica e cristaliza sua condição. quase como que dizendo que a vida é mais fácil de ser vivida daquela maneira (acho até que falam algo de ser mais fácil viver culpando os outros pelo mal do que a si mesmo). e perder a senhora a quem deviam obediência os desnorteia e os faz desejarem tentar recuperar a situação perdida. tanto é que eles acabam usando a assembléia e votação (instrumentos democráticos que grace se esforça para introduzir na comunidade) para escolherem quem seria sua nova senhora, responsável para manter a lei conforme sempre foi.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Terra das Oportunidades parte 1 - Dogville

pude ver no último final de semana dois ótimos filmes do polêmico diretor lars von trier: dogville (2003, que eu já tinha visto uns dois anos atrás) e manderlay (2005). ambos surgiram inicialmente como parte de uma trilogia que tem como tema central os EUA (USA: Lands of Opportunities), apesar da terceira parte (Wasignton) nunca ter sido lançada.
sou fã do diretor, principalmente pelo seu tom provocativo, apesar dos filmes deles me causarem um certo mal-estar indefinido. acho que têm em comum (pelo menos os que eu vi) um pessimismo intrínseco, uma perversão e crueldade do ser humano, por mais indefinível que isso possa parecer.

no caso específico desses dois filmes, o grande diferencial está no fato de eles praticamente não terem cenário, se resumindo a linhas marcadas no chão e alguns poucos móveis. não sei dizer ao certo qual a intenção do diretor (e nem se há de fato uma intenção clara), só sei dizer que pra mim essa peculiaridade soa como uma tentativa raio-x, que foca os personagens em seu íntimo e em suas relações, em detrimento de todo o resto, que poderia ser interpretado como superficial; uma desmontagem daquilo que não importa, quase que desnudando os indivíduos ali presentes e narrativa da qual fazem parte.

no primeiro filme, a história gira em torno dos "amáveis cidadãos" de um pobre e pacato vilarejo perdido no meio-oeste americano, que ao serem surpreendidos com uma fugitiva em seus domínios precisam escolher se arriscam e lhe dão abrigo ou se a entregam para os gângsters que estavam em sua busca. a princípio, Grace, a moça fugitiva é aceita e tem duas semanas para se integrar à comunidade e convencer os cidadão de dogville de que seria bem vinda ali e para tanto ela passa a se oferecer para ajudar os outros habitantes. o que inicialmente parece uma boa estratégia se torna a sua perdição. é através desse estado de servidão e complacência que dogville começa a mostrar suas presas. ela se torna escrava de sua situação, passa a ser ameaçada e acaba se sujeitando as mais humilhantes situações. mesmo assim, a garota acaba justificando o comportamento dos cidadãos, culpando as circunstâncias em que vivem. claro que há uma grande reviravolta em sua maneira de ver as coisas, depois de uma espetacular conversa com seu pai e, depois de uma profunda crise moral ela chega a conclusão de que o mundo seria um lugar melhor sem a existência de dogville.

se sobressai e choca acompanharmos a ideia de que bastou a oportunidade para que aqueles bons indivíduos mostrassem seu lado sombrio e perverso, escravizando a garota, destituindo-a de sua humanidade, de maneira que ela passou a ser tratada como um objeto ou animal, útil às suas necessidades e só. sempre amparados por argumentos hipócritas e cínicos os habitantes de dogville "absorvem" aquele ser forasteiro de maneira mesquinha e egoísta.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

sobre as pobres mulheres ricas

não que esse seja um assunto relevante, por isso pretendo ser breve. é que ontem eu assisti por uns 10 minutos o "polêmico" "mulheres ricas. """"reality show""" que mostra o dia-a-dia de algumas mulheres cheias de dinheiro. bom, pelo menos é o que deveria mostrar, mas pra mim pareceu algo muito forçado, encenado (espero que seja mesmo, se aquelas senhoras forem na vida real exatamente como demonstraram ser no programa a coisa deve ser mais preocupante do que eu imaginava).
diferente de uma grande parcela dos pobres e remediados, nunca fui deslumbrado com essa coisa de dinheiro, muito menos de fazer parte da alta sociedade e compatilhar de seu estilo de vida refinado, depois que eu as vi fiquei com menos vontade ainda... me pareceram mulheres fúteis, sem graças e artificiais. sério, não é despeito de um descamisado. elas estavam comendo num restaurante e eu tive a certeza de que nunca iria querer estar ali dividindo a mesa com elas. achei tudo aquilo muito entediante.
aí o pessoal fica indignado pelo teor do programa. num país com uma das piores distribuições de renda do mundo essas senhoras esbanjando em rede nacional é quase um tapa na cara. sei lá, até concordo, mas confesso que não vi grandes vantagens em ser rico. pior, sem querer ser moralista, percebi que temos muito a melhorar, mais do que simplesmente as condições de vida da população em geral.  qual é a grande vantagem de ser um idiota com um casaco de pele ao invés de um moleton surrado? juro que não percebi.
se o objetivo do programa era mostrar o glamour das endinheiradas acho que eles estão fazendo isso errado...